imagemBranca

O que é melhor para as crianças? Uma visão a favor e contra, dita de forma ética e respeitável.

O que é melhor para as crianças? Uma visão a favor e contra, dita de forma ética e respeitável.

Uma visão a favor e contra, dita de forma ética e respeitável.

No Brasil das desigualdades cada vez mais gritantes, governo federal se mexe para liberar homeschooling e tirar do Estado a obrigação de cuidar da educação. Confira duas visões sobre essa modalidade.

Regulamentar o homeschooling (educação domiciliar) até o primeiro semestre deste ano é uma das metas do governo Bolsonaro. O projeto de lei (3179/12) tramita na Câmara dos Deputados há nove anos. Em 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que cabe ao Congresso analisar o caso. Educação convidou dois profissionais para argumentaram suas posições sobre o tema. Rick Dias, presidente da Associação Nacional de Educação Domiciliar (Aned), é favorável à regulamentação. “A modalidade é reconhecida ou regulamentada em mais de 60 países, nos cinco continentes, com regimes de governo diversos”, defende. Já Cláudio Giardino, diretor executivo do grupo OEP, composto pelos colégios Oswald de Andrade, Elvira Brandão e Piaget, é contra. “É também na escola que se aprende a conviver e respeitar as diferenças, características fundamentais de um cidadão coletivo, autônomo e responsável”, alerta. Confira, a seguir, as opiniões completas de Dias e Giardino.

LEIA O CONTEÚDO COMPLETO - CLIQUE AQUI

Comments powered by CComment