Dados sobre educação domiciliar no Brasil

  • 7500 famílias praticando atualmente;

  • 15000 estudantes entre 4 e 17 anos;

  • crescimento > 2000% entre 2011 e 2018;

  • presente nas 27 unidades da Federação;

  • cresce a uma taxa de aproximadamente 55% ao ano.

Gráfico de crescimento da educação domiciliar no Brasil

*Pesquisa realizada em fevereiro de 2016 pela ANED

Crescimento real da educação domiciliar no Brasil

  

Resumo executivo da educação domiciliar no Brasil (ANED)

Embora a educação domiciliar no Brasil seja um fenômeno consolidado e crescente, ainda não é possível um estudo científico de grande proporção para demonstrar os resultados acadêmicos da modalidade, devido a alguns fatores, como o receio de muitas famílias de sofrerem denúncias e processos e o curto espaço de tempo para pesquisas com metodologia científica. 

Poucas pesquisas foram aplicadas nesse período (2011-2018). Entretanto, já se observam resultados expressivos de crescimento, o que demonstra confiança das famílias na modalidade, que continua a crescer, mesmo depois do julgamento do STF. É bem provável que o número real de famílias seja muito maior que o que conhecemos, pois há uma enorme quantidade de famílias que estão escondidas praticando a educação domiciliar, temendo denúncias e processos.

Até hoje, no Brasil, das centenas de famílias processadas pela prática da educação domiciliar – havendo trânsito em julgado ou não –, nenhuma foi condenada por abandono intelectual, pois a justiça não encontrou evidências a esse respeito.

Uma pesquisa realizada pela ANED em 2016 revelou que quase um terço das famílias educadoras brasileiras (32%) opta pela educação domiciliar em busca de uma educação mais personalizada para os filhos, explorando seus potenciais e talentos.

Uma pesquisa realizada pela ANED em 2017 com 285 famílias homeschooling brasileiras revelou que em mais de um terço um dos pais possui ensino superior completo (34%); e que em 74% delas um dos pais já frequentou ou frequenta a Universidade;

Uma pesquisa realizada pela ANED em 2017 com 312 pais que mantêm seus filhos na escola revelou que 44% (137) consideram a possibilidade de optar pela educação domiciliar.

A ANED realizou uma pesquisa em 2018 com 1209 pais que se dizem simpatizantes ou entusiastas da educação domiciliar, mas ainda mantêm os filhos na escola. 68% (821) afirmaram que deverão optar algum dia pela educação domiciliar; 41% (500) aguardam uma regulamentação para que possam optar pela modalidade.

Dados fornecidos por pais educadores à ANED revelam que o índice de aprovação dos homeschoolers brasileiros nos exames nacionais aplicados pelo INEP (Prova Brasil e avaliações do Encceja para o Ensino Fundamental e o Ensino Médio) é de 100%.